Palestra Pathwork – 105

“Quando o homem atinge a etapa de busca ativa do autoconhecimento, de olhar para si mesmo como realmente é, ele pode, no começo, ainda estar acostumado à velha prece de implorar ajuda, de pedir que Deus faça por ele o que costumava evitar fazer.

No entanto, apesar desse hábito de prece, ele começa a olhar para si mesmo.

Somente depois de atingir níveis mais profundos desse processo de encarar a si mesmo é que ele gradualmente evita o tipo de prece a que estava acostumado.

Ele pode até passar por uma fase em que absolutamente não ora, no sentido comum. Mas ele medita – e essa é muitas vezes a melhor prece!

Ele medita olhando para suas reais motivações, permitindo que seus sentimentos reais aflorem, questionando qual é a razão de ser desses sentimentos.

Nesse tipo de atividade, a prece no velho sentido se torna cada vez mais sem sentido, mais contraditória.

Sua prece é o ato de autoconhecimento e de olhar para si mesmo com verdade.

Sua prece é sua intenção sincera de enfrentar o que pode ser mais desagradável.

É prece porque contém a atitude de que a verdade em nome da verdade é o limiar para amar.

Sem verdade e sem amor não pode haver experiência de Deus.

O amor não pode surgir da tentativa de fingir que uma verdade não é sentida.

Mas o amor pode nascer do enfrentamento da verdade, por maior que seja a imperfeição.

Essa atitude é prece.

A integridade consigo mesmo é prece; a atenção para a própria resistência é prece; assumir algo que a pessoa escondeu por vergonha é prece.

Quando isso continua, o estado de ser gradualmente passa a existir, pouco a pouco, sem interrupções.

Então, nesse estado de ser, a prece deixa de ser um ato de palavras ou pensamentos pronunciados.

É um sentimento de ser no eterno agora; de fluir numa corrente de amor com todos os seres; de entendimento e percepção; de estar vivo”.

Palestra Pathwork – 105

Deixe uma resposta